domingo, 9 de setembro de 2012

Treinamento de handebol visando competições escolares


 
O handebol é um dos esportes mais praticados no mundo. Esta modalidade esportiva foi criada na Alemanha. Inicialmente eram jogadas em campos, depois foi introduzido o "Handebol de salão" praticado atualmente. Chegou no Brasil, por volta de 1930 com os alemães. No Brasil, é um dos esportes mais praticados no meio escolar. A intenção deste artigo é mostrar como podemos obter em uma escola, um time competitivo de handebol a nível escolar. A motivação a realizar esse trabalho, verificar a completa falta de interesse da maioria dos professores em relação a mostrar aos alunos, fundamentos, regras, técnicas e táticas do jogo, visualizadas nos Jogos Escolares de Cataguases – MG (JESC). Sabendo a simplicidade para solução desse problema, resolvemos desenvolver essa pesquisa para mostrar com métodos mais simples possíveis como aplicar esses fundamentos, para chegar nas competições mais preparados técnica e taticamente, e com conhecimento da regra que é fundamental para a pratica de qualquer esporte. A tentativa do desenvolvendo desse tema, serve para que os professores da rede de ensino de Cataguases, tenham mais interesse em passar para os alunos o conteúdo de uma modalidade tão popular e que é uma das mais praticadas no meio escolar, dando mais qualidade e também para que as competições sejam de um nível mais elevado. Os esportes coletivos em geral e especificamente o handebol visando a aprendizagem do jogo propriamente dito para uma competição escolar, desperta não só o desejo de competição sadia, mais dá bases para os indivíduos caso não optem por uma carreira de atleta, possam ter os conhecimentos necessários para a vivência dos jogos coletivos como possibilidades de suas atividades de lazer.
    A atuação do professor de educação física, assim como demais funcionários na escola, são pontos chave no objetivo final que é a competição. Apesar da educação física ser uma disciplina altamente educativa, mostraremos que o esporte a um nível de competição, pode nos dar maiores resultados na questão de formar não um atleta mais sim um cidadão. Estaremos colocando em discussão, técnicas, táticas e trabalhos pedagógicos a serem introduzidos no ciclo de treinamento. O texto também faz uma analise sobre a parte metodológica do ensino a ser abordado.
    Para Paulo Freire, as atividades propostas pelo professor devem ser compatíveis com o grau de desenvolvimento dos alunos. Uma proposta pedagógica não pode estar nem aquém, nem além do nível de desenvolvimento da criança.5 Por isso, esse trabalho pode ser desenvolvido com educandos de uma faixa etária de 12 a 16 anos, que já tenham noção dos fundamentos e regras para que o planejamento atinja seus objetivos. A parte pedagógica discutirá como passar para os educandos, de uma maneira lúdica e também de uma forma "convencional" todos o fundamentos técnicos e táticos do jogo, passando também pelas regras, como saber aproveita-la de uma forma melhor durante as competições.
    Nessa faixa etária, a igualdade de idade prevalece para ambos os sexos. Este texto trata o handebol como um conteúdo clássico, portanto um conteúdo tradicional da Educação Física escolar.
    O objetivo específico desse trabalho é apresentar um método parcial, situar alguns conceitos e diferenciar a opção metodológica no ensino do handebol visando competições escolares nas escolas públicas e particulares da cidade de Cataguases. Já o objetivo geral, é fazer com que o aluno tenha futuramente o conhecimento de uma modalidade esportiva que possa trazer a ele no futuro uma opção de lazer e qualidade de vida.
    O fundamental para a boa docência é a consciência através do conhecimento de qual método adotarmos em função dos objetivos que temos.6
    A citação acima nos mostra que o planejamento dos exercícios a serem aplicados vão contar muito na hora da competição, fazendo com que o aluno desperte interesses individuais e coletivos como será mostrado nas táticas individuais e de grupo. A opção de ensino de qualquer conteúdo através de um determinado método está imbuída de uma determinada visão de educação e de sociedade a qual nos dará elementos para a construção do projeto de ensino que será sempre um projeto político-pedagógico.3
Fundamentação teórica
Fundamentos técnicos
    Os fundamentos são as fases usadas para qualquer jogo, que facilitem as técnicas e a tática durante os jogos. Fundamento significa base, alicerce, fundação, é o começo de tudo, onde o aluno aprende as técnicas e as aperfeiçoa para uma melhor utilização dessa e da tática durante os jogos. Pesquisamos na literatura, o que se tem a respeito de treinamento de handebol, tanto para atletas profissionais, como para atletas amadores. Não deixamos de pesquisar também, sobre métodos pedagógicos a serem passados para alunos nessa faixa etária. A partir desses dois focos começamos a pesquisa, fazendo uma comparação e delimitando o que pode ser empregado para alunos dessa faixa etária. Os problemas em relação ao entendimento das regras pelos alunos, está diretamente ligado a reseultados durante os jogos, na falta de compreenssão de gestos aplicados pelos árbitros. Os problemas em relação à arbitragem constituem-se em fatores situacionais externos, ou seja, não podem ser controlados pelos integrantes da equipe. Entretanto, as reações dos esportistas frente a marcação da arbitragem, apresentam possibilidades de melhor enfrentamento8.
    Os fundamentos técnicos, podem ser classificados em fundamentos de ataque e fundamentos de defesa. O treinamentos desses fundamentos poderá tornar-se mais agradável e mais prazeroso se as ações forem dinâmicas onde desde cedo os alunos comecem a entender as necessidades das combinações dos elementos fundamentais que compõem o jogo. Conhecer e refletir coletivamente sobre a história do handebol, bem como vivenciar, a partir da prática de jogos pre-desportivos, algum dos elementos constitutivos dessa modalidade despoortiva.9 As atividades propostas para o aprendizado têm que facilitar a automação dos fundamentos mais freqüentes, porem se o professor mantiver uma rotina padrão dos treinamentos, certamente os alunos não terão uma pré-disposição adequada para praticar o exercício proposto. A dinâmica de movimentação tem que levar em conta as ações motoras da modalidade especifica.3 As capacidades motoras e físicas devem ser voltadas para os alunos como aperfeiçoamento, já que são alunos que têm noções e aptidões físicas já agregadas. As aulas devem ter como objetivos, desenvolver as capacidades táticas e técnicas dos alunos durante o jogo, a ocupação de espaço, o desenvolvimento das habilidades dentro do contexto do jogo e a satisfação do praticante.10 Apresentaremos abaixo, fundamentos e alguns exercícios que visam o desenvolvimento da modalidade, para a equipe atingir seus objetivos.
Fundamentos de ataque
    Atualmente o handebol tem evoluído muito e cada vez mais se procura forçar o erro do adversário, pelas constantes saídas e pressões dos defensores nos atacantes, sendo assim, atualmente é imprescindível o bom domínio de uma variedade de ações ofensivas e defensivas e de cometer o menor número de erros técnicos para se obter o sucesso sobre os adversários. 11
    A empunhadura seria a ação que o aluno deve praticar para segurar a bola. A palma da mão deve aderir a bola, fazendo um movimento côncavo. O passe é um movimento que permite ao jogador laçar a bola ao outro companheiro de forma que chegue até ele com o máximo de perfeição possível. O passe juntamente com a recepção é imprescindível para que o jogo tenha uma boa dinâmica.2 De acordo com Greco, se a equipe tiver um passe ruim, a dinâmica ficará comprometida e assim o desenvolvimento do jogo4. O treinamento desses fundamentos deve ser priorizado, visto que são os mais importantes para que a equipe tenha um volume de jogo maior e atinja seus objetivos de maneira mais fácil.
    Passe normal ou de ombro: o aluno devera ter o braço formando um ângulo de noventa graus entre o braço e o antebraço e entre o braço e o tronco. Esse tipo de passe é o mais utilizado entre os praticantes dessa modalidade, ele pode ser efetuado com apoio ou em suspensão. A seguir mostraremos algumas atividades para execução do passe de ombro, que podem ser treinadas com alunos dessa faixa etária.
    Formar fileiras uma de frente para outra, o pé de apoio será contrário a mão que realizará o movimento. Já no passe de ombro em suspensão começaremos a contar as passadas com a perna contraria a mão que efetuará o movimento, sendo que no terceiro passo deverá ser executado o salto.
    Utilizando a quadra inteira, formar duas filas no fundo da quadra a uma distância de mais ou menos 4 m um do outro, ir passando a bola fazendo o movimento do passe de ombro em deslocamento até atingir o final da quadra. Repetir o mesmo exercício, com uma variável que seria sair a uma distancia de 4 m e ir se distanciando até atingir o final da quadra, depois voltar afunilando até chegar na posição inicial.7
    Exercícios para passe ocupando posições especificas; ponta, armador lateral e armador central. Os jogadores deverão realizar os passes nas posições especificas. Os jogadores das extremidades poderão realizar um drible para manter o ritmo da atividade. Drible: é a ação jogar a bola ao chão com a palma da mão voltada para baixo. A altura da mão e da bola não deve ultrapassar a altura do peito.Algumas atividades para o treinamento de uma equipe a nível escolar serão mostradas abaixo. Usando a quadra de uma lateral a outra, mostrar ao aluno o movimento do drible e pedir a execução do mesmo.
    Fazer o movimento de uma lateral a outra em "zig-zag".
    Executar o movimento com o direcionamento do professor, indicando o lado a que se deve ir quando for dado algum tipo de sinal.7
    Fintas: a finta pode ser realizada com o corpo, com a bola ou com ambos. As fintas podem ser usadas para se desvencilhar de marcações, para se executar um passe ou uma finalização ao gol. ...pela plasticidade do movimento, alguns atletas fazem a finta em momentos desnecessários na partida...3. De acordo com a citação acima, a finta só tem uma ação que se possa tirar proveito, quando executada no momento certo, pois sem a necessidade dela, a equipe pode perder o ritmo do jogo, ou até mesmo ser prejudicada pela perda da posse de bola em algum momento da partida. Existem vários tipos de finta, a finta de corpo é feita com uma parada com os dois pés de frente ao adversário deslocando-se o tronco para um lado e saindo para o outro. Esse lado que o aluno sai do adversário geralmente é o lado em que ele faz o arremesso. ...a finta com a bola é melhor executada se o indivíduo dominar o fundamento drible.3 Arremesso para o gol: é atirar a bola a meta do adversário, antecede o principal objetivo do jogo que é o gol. No handebol a nível escolar o arremesso tem que ser treinado de forma especifica, passando para os alunos como direcionar a bola em locais pré definidos pelo professor. A precisão é um fator que conta muito nesse fundamento, pois pode suprir a falta de foca com essa precisão. A força também pode ser levada em conta, mais não adianta muito sem a precisão, ou seja, uma depende da outra. São inúmeras as atividades que se pode trabalhar esse fundamento. Abaixo apresentamos algumas delas com um nível de complexidade voltado para a faixa etária em questão.
    O aluno se posiciona atrás da linha de fundo da quadra, paralelo com o goleiro, o aluno que vai fazer o arremesso lança a bola para o goleiro e corre até o meio da quadra recebendo a bola do goleiro, efetuando um drible e atirando ao gol.
    Formar uma fila em frente ao gol e efetuar arremessos com os pé apoiados, com um pequeno espaço de tempo entre um arremesso e outro.
    Formar duas fileiras frontais. As duas fileiras estarão com bolas exceto o primeiro de uma das fileiras. Este receberá a bola da fileira ao lado e fará o arremesso ao gol, e assim a fileira que está com a bola passará a para a outra.7
Fundamentos de defesa
    Os fundamentos defensivos têm características básicas sendo elas linhas defensivas, o que cada jogador pode fazer em sua posição e os tipos de defesa (individual, por zona ou mixto). Os sistemas defensivos referem-se os jogadores no espaço de defesa, mas somente isto não será determinante na efetividade defensiva, no geral seja qual for o sistema adotado pela equipe a forma de marcação deverá ser definida em função das características dos defensores e dos adversários e os objetivos que se pretende alcançar. O sistema defensivo só terá êxito se diante de sua aplicação for observado o trabalho de equipe bem como as funções individuais determinadas para cada componente.7 De acordo com o que foi citado, os jogadores deverão ocupar os lugares de acordo com suas potencialidades e precisão. Qualquer um dos defensores que se comportarem de uma forma errada durante a defesa, comprometerá a estratégia traçada pela equipe. Abaixo estão alguns sistemas mais simples utilizados por equipes nesse nível de aprendizagem dessa modalidade. Sistema defensivo por zona 6 x 0 na base: Os defensores ficam próximos a linha dos 6 m, fazendo movimentações laterais. Esse sistema é muito utilizado contra equipes que tem bons fintadores e que sua principal ação é a infiltração, já que a equipe não tem bons atiradores dos 9 m. Sistema defensivo 6 x 0 avançado: nesse sistema os alunos estarão nas mesmas posições anteriores, só que um pouco mais a frente.Outra variável do sistema defensivo 6 x 0 é faze-lo com flutuação. Essa flutuação se dá quando o adversário que está a sua frente recebe a bola, você encurta a distancia sobre ele e no momento que ele desfazer da bola você retorna a posição original. Sistema defensivo 5 x 1: nesse sistema o jogador fica a frente da defesa atrapalhando a ação dos armadores laterais e do armador central, fazendo o que chamamos de bico. Sistema defensivo 5 + 1: é o chamado sistema mixto, porque envolvem dois tipos de marcação pela mesma defesa, a marcação individual e a marcação por zona. Esse sistema consiste em 5 jogadores próximos a linha dos 6 metros e um jogador exercendo a marcação individual sobre o jogador de maior destaque da equipe adversária.
Tática
    De acordo com o vídeo curso pesquisado, táticas são ações individuais, de grupo ou de equipe que podem ser utilizadas para neutralizar as movimentações ofensivas do adversário, bem como estabelecer os princípios de atuação ofensiva da equipe.7
    Percebemos nessa pesquisa que os autores citam sempre uma seqüência pedagógica para o ensino da tática. De acordo com o vídeo curso produzido pelos professores José Geraldo e Paulo Augusto, são sugeridas fases para assimilação do comportamento mediante certas situações. Essa é uma das partes mais importantes num contexto para a mostrar ao professor que ele deve obedecer a uma seqüência pedagógica. Abaixo estão as fases a serem passadas aos alunos.
Primeira fase: Explicar as ações gerais (verbal, em forma de gráfico ou pratica).
Segunda fase: Explicar as ações e funções de cada jogador.
Terceira fase: Solicitar explicações individualizadas das ações e funções que cada um deve exercer.
Quarta fase: Executar a tática sem interferência contrária
Quinta fase: Executar a tática com interferência contraria.
Sexta fase: Apresentar variáveis de intervenções.
    Assimilação da tática: aprender: assimilar mentalmente, entender, compreender. De acordo com o dicionário , aprender é a capacidade e assimilar as coisas, seja qual for sua complexidade. O professor pode estimular a inteligência do aluno propondo um problema e enfatizando a necessidade de resolvê-lo; se no saber acumulado pelo aluno não existir a resposta para a questão, terá inicio o movimento neural. Esse movimento fará com que as inteligências gerem operações mentais, proponham e descartem soluções até que resolva o problema.1 Então o papel do professor para que o aluno assimile as táticas é de total importância no processo de ensino aprendizagem, criando estímulos para que o aluno absorva com mais clareza a atividade proposta e a utilize em situações durante os jogos. A complexidade das tarefas, e os problemas situacionais durante o jogo, devem ser entendidas pelo professor de maneira clara, para não haver dificuldade na hora do processo ensino aprendizagem dos alunos. Como já vimos anteriormente, é papel do professor entender o que ele está passando para os alunos e saber corrigir no momento exato, sem por o aluno num nível abaixo dele e sim estimulando cada vez mais para que a tarefa seja realizada com a eficiência desejada. Em realidade com base nas teorias da ação de formulou um modelo teórico definido de forma sistêmica os elementos constitutivos da ação tática a partir da estrutura do conhecimento técnico tático do professor.2 Nessa citação Pablo Juan Greco resume o papel do professor nesse processo cognitivo e de ensino. Ele coloca também que só o conhecimento básico, seja ele das regras ou ações durante o jogo não são suficientes para um sucesso da sua equipe. Os benefícios físicos podem além de melhorar a performance do indivíduo dentro de quadra possibilitar que este tenha também um melhor desenvolvimento físico fora dela, que o auxiliará nas atividades diárias e na saúde, podendo inclusive diminuir a incidência dos riscos, sendo mais duradouros mesmo depois do término da prática.14 Nessa citação, fica claro a importância do preparo físico para um bom rendimento da equipe. Não adianta só aprender as regras se não tivermos condição física para aplica-las.
Fundamentos táticos de ataque
    A utilização das qualidades físicas dos desportistas utilizadas sistematicamente como finalidade última para a obtenção do objetivo final, o rendimento, faz ainda mais do ser uma máquina com deslocamentos combinados e já determinados tirando assim todo o sentimento de auto iniciativa, tal sentimento a partir de então foi substituído por regras estabelecidas previamente de forma que não se pode fazer de outra forma se não a daquela determinada.12 Essa citação nos permite perceber que a assimilação dos fundamentos nada mais é que um processo cognitivo e mecânico. Fundamentos táticos são ações que podem ser combinadas ou planejadas durante uma competição, de acordo com o adversário ou modo de atuar da sua equipe. As táticas podem ser individuais, em pequenos grupos ou grandes grupos. O objetivo principal é chegar ao gol traçando uma estratégia que faça com que a equipe chegue com mais facilidade ao gol do adversário. Esses fundamentos referem-se ao posicionamento de atuação dos jogadores quando estão estrategicamente colocados para realizar os ataques.7 As táticas podem ser classificadas de duas maneiras, individual e em grupo.Tática individual: è a capacidade do jogador de responder pelas atitudes fundamentais para um bom desempenho durante os jogos, como deslocamentos, mudanças de direção, formas de marcação, posicionamento e movimento técnico apropriado.7 Então chegamos a conclusão que para uma boa resposta o jogador deverá ter a capacidade de se relacionar com estímulos ambientais, como torcida, pressão durante o jogo e até mesmo no caso de contusões. Também está relacionado com o preparo físico, técnico e mental do aluno. Por isso, causas as vezes desconhecida pelo professor como problemas familiares por exemplo, atingem o aluno na hora do treinamento e da competição.Táticas de grupo: São ações que ocorrem com pequenos grupos, onde os alunos muitas vezes optam por tal tática entre si, sem a ordem do treinador. As táticas de grupo são muito utilizadas no handebol por serrem menos complexas que as táticas de equipes. Como exemplos defensivos de táticas em grupo, podemos falar de ajuda do companheiro, cobertura, dentre outras. Já as táticas ofensivas, podemos citar como exemplo o bloqueio, a cortina, etc. Nessa fase de treinamento não podemos passar atividades de alta complexidade, devido ao nível cognitivo dos alunos. Por isso passaremos dois esquemas táticos de ataque que é o 3 x 3 e o 4 x 2.
Sistema de ataque 3 x 3
    Esse sistema é formado por duas fileiras de três, sendo uma com os armadores laterais esquerdo e direito e o armador central. Na outra linha devem estar posicionados os pontas direito e esquerdo e o pivô. Esse sistema é um dos mais usados por causa da sua fácil compreensão e assimilação. Mais é um sistema que não trás muito resultados.
LEIA TAMBÉM:

A história do Handebol